segunda-feira, 11 de abril de 2005

A outra Maria

Mas enquanto uma Maria comemora 100 dia de administração, outra Maria chora e entrega os pontos: a educadora ambiental Maria do Carmo, a popular “Gorda”, deve fechar as portas de um point cultural que nos últimos quatro anos foi um oásis em meio à falta de alternativa em Santarém.

Trata-se do Relicário, bar e restaurante regional que serviu de ponto de encontro de intelectuais (de esquerda ou não) e que acolheu todas as “tribos” culturais da juventude roqueira. Depois de anos de sucesso funcionando na 15 de novembro, um local pequeno, mas aconchegante, o Relicário passou recentemente para um espaço maior na Rui Barbosa, próximo à praça São Sebastião, mas o público minguou e a proprietária não pôde sustentar o negócio.

“Gorda” agora está vendendo (a preço de banana) todo o acervo de artesanato, livros e outros objetos pitorescos que faziam parte do universo do Relicário. É uma pena que um ponto como este feche assim. Mas isso já se tornou normal em Santarém: quem não se lembra de espaços como o Chaplin, Sanfrango, Transas da Vovó e outros points que fizeram história na década de 80? Agora é esperar que surja um novo espaço para o nosso deleite.

Um comentário:

Mirika Bemerguy disse...

Agora que aprendi não páro mais.
Jota, concordo plenamente quando lamentas do fechar das portas do Relicário, onde se encontrava pessoas fantásticas, tinhamos encontros inesperados, fora as peças teatrais c/ lendas e artistas da nossa terrinha maravilhosos.
Só que, dissestes bem, quando funcionava na 15 de Novembro,um local pequeno mas aconchegante. Foi isso que faltou no espaço maior, aconchego. E depois tudo passou a ser cobrado, nem olhar na porta se podia mais, foram colocados umas esteiras horríveis bem na frente tirando toda a visibilidade de quem estava dentro ou fora. Tudo bem, temos que crescer, evoluir pagar pelas coisas boas, mas tão depressa?!
É realmente, lamentável que o Relicário feche as portas!