quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Mais um retorno...

Depois da última postagem, em julho de 2014, meu pobre blog voltou a hibernar, como sempre, pelo mesmo motivo: a falta de tempo para conciliar minhas multi-atividades.

Nesse tempo, continuei escrevendo algumas coisinhas aqui e ali, usando blogs de amigos ou o meu perfil no Face. Já até pensava em deixar meu blog de lado em definitivo, afinal pouca gente hoje entra num blog para ler o que se escreve. 

Hoje o máximo que se lê é o que se compartilha no Facebook ou no Instagram, onde há pouca ou quase nenhuma produção local. Os blogueiros que ainda resistem e vivem de seus blogs, fazem malabarismos para que seus leitores acessem as informações. Mas muita gente apenas curte o que foi dito no Face (geralmente apenas uma chamada para o texto principal) e não se aprofunda na informação original.

A moda agora é usar o tal do Zap, de informações instantâneas e debates, às vezes, rasteiros, sem muito conteúdo. Ou o Twitter, aquele dos 140 toques que Saramago, quando vivo, criticou por ser o indício de que no futuro a comunicação será apenas um grunhido.

Mas como sempre tenho coisas pra contar, seja da minha vida pessoal e profissional ou seja das minhas impressões do cotidiano, principalmente da política, resolvi voltar a postar no meu bloguinho, principalmente porque já tenho um pouquinho mais de tempo disponível, depois que mudei de setor no meu trabalho no Fórum de Justiça de Santarém.

O amigo jornalista Joab Ferreira me disse uma coisa que guardei, no dia em que disse estar desanimado em continuar postando: "Não deixa de postar teus textos no blog. Não importa que não seja tão acessado. O que importa é que, como ferramenta da internet, o blog ainda é melhor para guardar tuas impressões e poder, a qualquer tempo, acessá-las, repostá-las, compartilhá-las para que alguém possa lê-las. As outras ferramentas da internet não tem essa facilidade de acesso".

E entendi que ele tem razão nisso. Os blogs quando foram criados, eram para ser diários virtuais de fácil acesso. E continuam sendo. O que se posta em outras plataformas de comunicação instantânea, se perde no vento. Pode até se encontrar, mas é um processo de garimpagem mais difícil. 

Decidi postar em meu blog sempre que puder, como se ele fosse meu baú de memórias. Inclusive tentarei buscar textos meus dispersos pela rede de internet para que um dia, mesmo depois que eu for embora, aqueles que quiserem poderão ler ou reler as baboseiras que um dia escrevi...rs

Sejam bem-vindos a uma nova viagem...

2 comentários:

Romulo Viana disse...

Olá meu caro Jota Ninos. Sempre tenho acompanhado seus momentos de sucessivas retomadas desse blog. Lendo, em especial essa tua postagem, lembrei de uma pergunta que uma colega minha do curso de Letras me fez: Rômulo alguém pelo menos acessa, ou lê teu blog? Respirei fundo... e respondi que ter um blog é exercitar a escrita, a leitura... e que sempre terá alguém que vai ler e gostar do que fazemos.

Que dessa vez teu blog venha com força total.

Rômulo Viana o Pescador de Literatura e teu seguidor no facebook

Jota Ninos disse...

Obrigado, amigo Rômulo.