sábado, 22 de abril de 2006

Quando a cultura serve de barganha para ampliar o poder(*)

A notícia que circulou esta semana nos bastidores políticos é de que a prefeita Maria do Carmo deve anunciar na terça-feira, 25/04, o novo coordenador municipal de Cultura. Depois de um hiato de mais de dois meses, já não era sem tempo. O problema é a articulação que acontece por trás desta indicação.
Um dos 11 secretários que já ocuparam esta pasta nestes 20 anos, me confidenciou certa vez que “a secretaria de cultura é o almoxarifado das sobras de campanha”. Ou seja, um perfeito cabide para candidatos a vereador derrotados, cabos eleitorais frustrados e apadrinhados sem qualificação. Agora, negociar o cargo para ampliar o poder político da administração ainda não havia acontecido.
Tudo indica que o cargo será do PL (Partido Liberal), que apesar de ser aliado nacional do PT foi o seu rival na última campanha municipal com Alexandre Von e elegeu dois vereadores, inclusive a presidente da Câmara, Beth Lima. O presidente regional do partido, deputado Raimundo Santos (santareno de nascimento, oportunista de ocasião) e evangélico, teria indicado o pastor Carlos Alberto, presidente municipal do partido. Em troca, Maria passa a ter uma bancada de sustentação de 10 dos 14 vereadores da Câmara.
Muita gente teme que um pastor à frente de uma coordenadoria de cultura é no mínimo preocupante. Qual seria sua atuação diante de eventos tidos como “profanos” na ideologia evangélica, como o carnaval e o Sairé?
Creio que a discussão não deveria resvalar para uma querela religiosa. Afinal, por conta do inferno astral em que a cultura se encontra, quem sabe não estejamos precisando até de um exorcista ou quem sabe de um pai-de-santo?
A cultura local vive um momento de desmobilização. Dos movimentos organizados de cultura, o único que sobrevive à duras penas é o do teatro. A ATAS tenta reorganizar sua diretoria e reagrupar os mais de 20 grupos de teatro amador espalhados pelos bairros (o Gruteja, uma das referências do movimento, este ano praticamente deixou de existir e nem apresentou a tradicional Paixão de Cristo). Já o carnaval, o folclore, a música, a poesia e as artes plásticas, vivem o marasmo nunca dantes visto e até o único cinema que tínhamos, fechou!
Além disso, não se consegue organizar o Conselho Municipal de Cultura e nenhuma das teses defendidas no I Fórum Municipal de Cultura realizado em julho do ano passado, saiu do papel. Entre elas, a maior aspirações de todos os grupos culturais: a definição de um espaço para eventos culturais. É triste acompanhar a situação da Casa de Cultura, onde no último Projeto Pixinguinha por pouco vimos músicos de renome como Jane Duboc tendo que usar guarda-chuva para escapar das goteiras do palco!
Recentemente foram criadas duas ong´s culturais (Alas – Academia de Letras e Artes e Instituto de Pesquisa e Promoção Cultural Kauré) que tentam resgatar as 7 artes, mas ainda estão longe de serem um movimento estruturado.
Será que vale a pena arriscar este patrimônio cultural em troca de apoio político?
Estou convencido de que administrar é coisa de administrador, no sentido lato da palavra. Se o pastor reunir estas condições, tudo bem.
Mesmo assim, fica a pulga atrás da orelha. E a torcida para que nome tenha maior afinidade com a cultura, como o do médico e compositor João Otaviano (também do PL), mas que pode ser carta fora do baralho.
[Em tempo: ontem mesmo a prefeita Maria do Carmo acabou empossando o novo coordenador. Como era esperado, deu o pastor Carlos Alberto Silva, responsável pela Igreja da Paz do Santarenzinho. A antecipação da posse, de certeza, foi para diminuir o desgaste poítico antecipado do novo coordenador, diante da reação dos setores culturais pela imprensa].
--------------------------
(*)Artigo inserido em minha coluna Perípatos, publicada ontem (21.04.2006), no Diário do Tapajós, edição regional do jornal Diário do Pará.

2 comentários:

Juvencio de Arruda disse...

Ótimo artigo,Jota.
E obrigado pelos seus sempre lúcidos comentários em meu blog.
Juro prá voce se eu ganhasse na Quina lhe pagava R$ 15 mil por mes para voce manter seu blog sem preocupações de tempo, dinheiro e outros compromissos..rs.
Abs

Jota Ninos disse...

Vou torcer por você! Joga os números 13 (PT) e 40 (PSB). Tão na moda... rsrsr